O relator do processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel (PSC), o deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), decidiu acatar o pedido da acusação e votou a favor do impeachment do gestor eleito em 2018. A sessão ocorre desde a manhã desta sexta-feira (30).

O Tribunal misto está julgando o caso, e esta é a última etapa do processo contra Witzel. O governador afastado é investigado por crime de responsabilidade por supostas fraudes na compra de equipamentos e celebração de contratos durante a pandemia de Covid-19.

Waldeck entendeu que Witzel cometeu crime de responsabilidade ao promover a requalificação da OS Unir Saúde, contrariando pareceres técnicos do governo.

“Em relação à acusação de crime de responsabilidade relativo ao ato de requalificação da OSS Unir Saúde, considero que a pretensão acusatória é procedente, tendo em vista que tal ato, por parte do réu, contribuiu diretamente para proteger interesses privados, mesquinhos e ilegítimos, em detrimento do elevado interesse público”, destacou.

Ele também declarou que Witzel cometeu crime em relação à contratação da OS Iabas para a construção e operação de sete hospitais de campanha durante a pandemia de covid-19, Waldeck apontou que Witzel comandou direta ou indiretamente o processo. Das sete unidades de saúde projetadas, apenas uma chegou a funcionar, a do Maracanã.

“Não resta qualquer dúvida que o réu, ao lado do [presidente nacional do PSC] Pastor Everaldo, tendo como operadores executivos [o ex-secretário de Saúde] Edmar Santos e, por dois meses, [o ex-subsecretário de Saúde] Gabriell Neves, estruturou o esquema para destinar parcela significativa da pasta da Saúde estadual para a efetivação de uma contratação temerária, mas aparentemente tentadora, em face do estratosférico valor do contrato”, disse.

VEJA TAMBÉM: JUSTIÇA PROÍBE GOVERNO DE PROMOVER TRATAMENTO PRECOCE

Para mais informações acesse nosso Canal do Telegram CLICANDO AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui