O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF), que governadores possam definir sobre a obrigatoriedade da vacina contra o novo coronavírus.

Conforme o texto enviado para o Supremo Tribunal Federal, a competência pode ser definida, caso o Ministério da Saúde não garanta a imunização da população ou eventualmente adote medidas que não sejam consideradas adequadas. Levando em consideração a realidade do local, estabelecendo a obrigatoriedade apenas no território estadual.

Aras disse que não há possibilidade dos prefeitos determinarem as medidas.

“Não há, todavia, interesse predominantemente local que autorize os municípios, por lei, a determinar a obrigatoriedade de vacinação, nem mesmo em caso de eventual inação do Ministério da Saúde”, afirmou.

O PGR destacou, para ser obrigatória, o Estado precisa sustentar que os fundamentos adotados pelo Governo Federal não atendem à realidade do Estado.

“É preciso que se busque o necessário equilíbrio na atuação dos entes federativos, em uma união de esforços e colaboração mútua, para lidar com o desafio da epidemia de Covid-19”.

“Apenas nos casos em que os critérios (técnicos e científicos pautados na prevenção e precaução) adotados pelo Ministério da Saúde para dispensa da obrigatoriedade da vacinação não correspondam à realidade local ou no caso de manifesta inação do Ministério da Saúde, podem os estados-membros estabelecer a compulsoriedade da imunização por lei que obrigue a população no âmbito dos seus territórios”, completou Aras.

VEJA TAMBÉM: DORIA AFIRMA QUE CORONAVAC PODE SER APLICADA NO BRASIL MESMO SEM APROVAÇÃO DA ANVISA

Para mais informações acesse nosso Canal do Telegram CLICANDO AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui