Conselheiro jurídico da Suprema Corte da Itália testemunha sobre operação de interferência eleitoral em 2020, dirigida por funcionários dos EUA.

O advogado da Suprema Corte da Itália testemunhou em vídeo que um indivíduo no sistema de defesa do país, Leonardo SpA, executou uma operação cibernética ilegal para mudar os votos das eleições de 2020 de Donald Trump para Joe Biden.

O professor Alfio D’Urso recitou sua declaração juramentada escrita de 6 de janeiro para verificar seu conteúdo, agora que o documento começou a circular na mídia alternativa americana.

“Eu, Alfio D’Urso, advogado da Via Vittorio Emanuele, Catânia, por meio deste, forneço a seguinte declaração de fatos, conforme transmitida em várias reuniões com o oficial de alto nível dos serviços de segurança do exército”, começou D’Urso.

“Arturo D’Elia, ex-chefe do Departamento de TI da Leonardo SpA, foi acusado pelo promotor público de Nápoles por tecnologia / manipulação de dados e implantação de vírus nos principais computadores da Leonardo SpA em dezembro de 2020.”

“D’Elia foi deposto pelo juiz presidente em Nápoles e em testemunhos juramentados em 4 de novembro de 2020, sob instrução e direção de pessoas dos EUA que trabalhavam na Embaixada dos EUA em Roma, empreendeu a operação para trocar dados das eleições nos EUA de 3 Novembro de 2020 de uma margem significativa de vitória de Donald Trump para Joe Biden em vários estados onde Joe Biden estava perdendo o total de votos.”

O réu afirmou que estava trabalhando nas instalações de Pescara da Leonardo SpA e utilizou recursos de criptografia de guerra cibernética de nível militar para transmitir votos trocados via satélite militar da Torre Fucino para Frankfurt Alemanha.

“O réu jura que os dados em alguns casos podem ter sido alterados para representar mais do que o total de eleitores registrados. O réu declarou que está disposto a testemunhar a todos os indivíduos e entidades envolvidas na troca de votos de Donald Trump para Joe Biden quando ele estiver em total proteção para si mesmo e sua família. O réu afirma que ele garantiu em um local não divulgado o backup dos dados originais e os dados foram trocados mediante instrução para fornecer provas no tribunal neste caso.”

“Declaro e juro que os fatos acima mencionados foram declarados na minha presença.”

O presidente Trump foi informado sobre essa operação ilegal fora da Itália, de acordo com a fundadora do Nations in Actions, Maria Zack.

Veja o documento oficial. Declaração juramentada!

FONTE

2 COMENTÁRIOS

  1. Renato, linkar vídeos do Youtube é o mesmo que ficar sem eles, como neste caso desta notícia.
    Convém fazer o download deles e publicar aqui diretamente…
    Não encontro o PDF do relatório PDF dos serviços de inteligência sobre a investigação de participação Internacional nas eleições dos EUA, sabes onde está o link? Cumprimentos e continuação de bom trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui