Nesta quinta-feira (8), a Defensoria Pública da União enviou um ofício ao governador de São Paulo, João Doria. Ele tem prazo de 15 dias para prestar uma série de esclarecimentos relacionados a vacina em São Paulo e sua estratégia de vacinação.

Dentre várias informações solicitadas, a Defensoria cobra o número efetivo de doses de vacinas que foram recebidas pelo governo de São Paulo dos mais diversos fornecedores – União e empresas fabricantes por aquisição direta – e o número de doses que foram efetivamente aplicadas até terça-feira (6).

Também foram cobradas justificativas para reserva de vacinas da 2ª dose, ao invés de vacinar o número máximo possível de pessoas com a aplicação da 1ª, conforme trecho do ofício:

[…]Que sejam apresentadas a formação de reserva técnica de vacinas para aplicação da 2° dose, ao invés de se priorizar a vacinação do maior número possível de pessoas com a 1° dose, considerando a estimativa de que, com a vacinação em massa de países da América do Norte e Europa, a oferta de vacinas no mundo tende a aumentar exponencialmente nos próximos dias e meses, o que se comprova, aliás, com o aumento exponencial de vacinação no Brasil no último mês com a marca atingida de um milhão de imunizados em um único dia.

No total, são 17 questões em relação ao enfrentamento da pandemia de Covid-19 pelo Estado de São Paulo.

O governo de São Paulo ainda não se pronunciou sobre o ofício.

VEJA TAMBÉM: CASO HENRY: ‘NÃO RESTA DÚVIDA SOBRE AUTORIA DO CRIME’, DIZ DELEGADO

Para mais informações acesse nosso Canal do Telegram CLICANDO AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui