O que está acontecendo em Xinjiang?

O Partido Comunista Chinês está empreendendo uma campanha direcionada contra mulheres, homens e crianças uigures e membros de outros grupos minoritários muçulmanos turcos em Xinjiang, China. Os abusos de direitos humanos documentados incluem métodos coercitivos de controle populacional, trabalho forçado, detenção arbitrária em campos de “reeducação”, tortura, abuso físico e sexual, vigilância em massa, separação familiar e repressão de expressões culturais e religiosas.

Nos últimos anos, esses abusos flagrantes aumentaram por meio de políticas governamentais sob o pretexto e a justificativa de combater os “três males” do “separatismo étnico, extremismo religioso e terrorismo violento”.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos, acadêmicos, organizações de direitos humanos, jornalistas, grupos de reflexão e sobreviventes dos próprios campos de Xinjiang forneceram ampla informação comprovando esses abusos, incluindo:

  • Controle coercivo da população por meio de aborto forçado, esterilização forçada e implantação involuntária de controle de natalidade;
  • A detenção de mais de um milhão de uigures, da etnia cazaque, da etnia quirguiz e de membros de outros grupos de minorias muçulmanas em campos de internamento;
  • Trabalho forçado em instalações próximas ou afiliadas aos campos de internamento;
  • A destruição e fechamento de mesquitas e outros locais religiosos, prevenção de jovens de participarem de atividades religiosas, doutrinação política forçada ou “reeducação”.

Controle Forçado de População

O PCCh está perpetrando uma campanha sustentada de esterilização forçada, aborto forçado e implantação involuntária de controle de natalidade. Evidências recentes e documentadas dessas práticas em Xinjiang são consistentes com décadas de práticas do PCCh que demonstram um desprezo total pela santidade da vida humana e pela dignidade humana. Apelamos ao Partido Comunista Chinês para que acabe imediatamente com essas práticas horríveis e pedimos a todas as nações que se juntem aos Estados Unidos para exigir o fim desses abusos desumanizadores.

Trabalho forçado

Desde 2017, o PCCh intensificou sua campanha de repressão brutal aos uigures e membros de outros grupos minoritários muçulmanos por meio de detenção arbitrária e de longo alcance e trabalho forçado. Em alguns casos, as autoridades detiveram membros desses grupos com base em espúrias “violações da política de nascimento”. O uso de trabalho forçado pelo PCCh para atingir membros de comunidades minoritárias étnicas e religiosas não se limita à região de Xinjiang e está ocorrendo em toda a China por meio de acordos facilitados pelo governo do PCCh com fabricantes do setor privado. O governo expandiu esta campanha por meio da transferência de mais de 80.000 detidos para trabalhos forçados em até 19 outras províncias durante o período de relatório de 2019, de acordo com estimativas de ONGs e relatórios da mídia. O Departamento de Estado dos EUA, alerta as empresas sobre os riscos dos links da cadeia de suprimentos para entidades que se envolvem em abusos dos direitos humanos, incluindo trabalho forçado, em Xinjiang e em outros lugares na China.

Violações da liberdade religiosa

O PCCh está entre os piores violadores da liberdade religiosa no mundo, e continua a mostrar desrespeito pela liberdade religiosa e exerce extrema hostilidade para com membros de todas as religiões, incluindo protestantes, católicos, budistas tibetanos, muçulmanos uigures e Falun Gong. A campanha de repressão do PCCh contra os muçulmanos uigures e membros de outros grupos minoritários em Xinjiang continua aumentando. Mais de um milhão de uigures, cazaques étnicos e membros de outros grupos muçulmanos minoritários foram detidos arbitrariamente em campos de “reeducação” desde abril de 2017. Na prática, o PCCh visa a expressão diária da crença islâmica, como possuir um Alcorão, orar, evitar álcool ou tabaco , o jejum durante o Ramadã, bem como os aspectos seculares da cultura não chinesa, como a língua uigur e a música uigur.

ARTIGO ORIGINAL EM: U.S DEPARTAMENT of STATE

VEJA TAMBÉM: CHINA REALIZA VÁRIOS EXERCÍCIOS MILITARES SIMULTÂNEOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui